Marina lança site para arrecadar recursos e financiar campanha

A Rede Sustentabilidade lançou nesta terça-feira, 17, uma página que arrecadará recursos para financiar a campanha da pré-candidata do partido à Presidência da República, Marina Silva, nas eleições de 2018. No site, poderão ser feitas doações de valores a partir de R$ 10, que podem ser pagos com cartão de crédito ou boleto bancário.

De acordo com o partido, o financiamento coletivo, também conhecido como crowdfunding, será uma ferramenta importante para a estratégia de arrecadação da campanha de Marina, “já que a divisão do Fundo Eleitoral foi realizada para beneficiar os grandes partidos e as velhas estruturas políticas”. “Uma nova forma de fazer política nasce de uma forma diferente de financiar a política. Queremos uma campanha feita por muitas pessoas doando o que podem, não por poucos doando o que querem, sem limites”, diz Marina.

Em nota, a sigla de Marina destaca que, enquanto os três maiores partidos brasileiros vão receber mais de um terço do Fundo Eleitoral de R$ 1,7 bilhão deste ano, a Rede receberá apenas 0,62%, o que representa cerca de R$ 10 milhões. Desse total, metade será direcionada pelo partido à campanha da pré-candidata.

Desde 2015, empresas não podem mais doar para campanhas eleitorais. Esta será a primeira eleição presidencial com a nova regra. “O teto de gastos estipulado em R$ 70 milhões para campanhas presidenciais reforça a promessa de uma competição menos desigual e a importância das doações de pessoas comuns”, destaca a nota do partido.

Outros pré-candidatos

Marina não é a única postulante à Presidência com uma plataforma de financiamento. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT, também tem uma campanha para receber doações na internet. João Amoêdo (Novo), Alvaro Dias (Podemos), Manuela D’Ávila (PCdoB), Guilherme Boulos (PSOL) e Ciro Gomes (PDT) também têm suas plataformas.

Nesta fase, os pré-candidatos podem arrecadar recursos, mas não gastar, já que o registro da candidatura precisa ser validado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Pesquisa Ibope em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada no fim de junho mostrou que, em um cenário sem Lula, Marina Silva aparecia com 13% dos votos, atrás do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), com 17%.

 

Por Terra